Amazonastur e FGV realizam pesquisa de análise de mercado do turismo no AM

Foto: Janailton Falcão/Amazonastur

A Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonastur), por meio de uma parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), inicia, na próxima segunda-feira (10/05), a Pesquisa Análise de Mercado do Turismo no Amazonas. O estudo tem como público-alvo prestadores de serviços turísticos incluindo agências de turismo, restaurantes, hotéis, transportadoras, entre outros segmentos. A pesquisa pode ser respondida por meio do link: http://bit.ly/1ªAnaliseTurismo2021.

O questionário possui 15 perguntas, com um tempo médio de resposta de aproximadamente seis minutos. Ao longo da pesquisa, o empresário de turismo responde sobre mercado de atuação, porte da empresa, contratações, endividamento, sugestão de investimento em infraestrutura, entre outros questionamentos. As respostas são sigilosas e servirão como base para as ações de investimento da instituição e de direcionamento estratégico para os players do mercado. O questionário deve ser respondido até o dia 24 de maio de 2021.

A pesquisa é contínua e será realizada três vezes ao ano. O objetivo é realizar um monitoramento do mercado turístico para que a Amazonastur possua uma visão clara do cenário empresarial e das mudanças que ocorrem no ambiente de negócios, auxiliando a instituição na elaboração de ações de desenvolvimento do mercado turístico.

O presidente da Amazonastur, Sérgio Litaiff Filho, destaca que, a partir dos dados, é possível analisar a série histórica e identificar tendências, contribuindo para a elaboração de atividades que possam beneficiar ainda mais o mercado e fomentar o turismo.

“Enquanto órgão fomentador do turismo do Estado precisamos conhecer o mercado para que a gente possa delinear estratégias de potencialização. A partir desses dados podemos prever elaboração de projetos de infraestrutura, desenvolvimento, trabalhar com a parte de inovação, capacitações”, pontuou Litaiff.

“Tem uma gama de informações interessantes que a gente pode buscar a elaboração de outras atividades e até ajustes no próprio planejamento anual a depender do que a gente receber de informação”, acrescentou o diretor-presidente.