Justiça nega liberdade do médico Mouhamad Moustafá que desviou R$ 104 milhões da Saúde

Compartilhe:

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

MANAUS – O ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Nefi Cordeiro negou a revogação da prisão preventiva do médico Mouhamad Moustafá decretada em cinco sentenças condenatórias cujas penas somam 49 anos de prisão. A decisão foi proferida na segunda-feira, 22, e publicada nesta quinta-feira, 25. Com a decisão, Mouhamad continua preso no CDPM (Centro de Detenção Provisória Masculino).

Moustafá é apontado pelo MPF (Ministério Público Federal) como chefe de esquema criminoso que desviou R$ 104 milhões da Saúde do Amazonas e já foi condenado em 12 ações penais que somam 131 anos de prisão por crimes de peculato e organização criminosa.

Cordeiro afirmou que consultou o sistema processual eletrônico do STJ e verificou que o pedido é “mera reiteração do Habeas Corpus 584.893/SP, julgado em 4/6/2020”. Nesse processo mencionado por Cordeiro, foi concedida a liminar para soltura de Mouhamad, mas o médico continuou preso por força de duas sentenças condenatórias proferidas pela juíza Ana Paula Serizawa, da 4ª Vara Federal do Amazonas.

No último dia 8 de junho, a defesa de Mouhamad apresentou um habeas corpus no TRF1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região), em Brasília, para revogar a prisão decretada nessas duas sentenças condenatórias. No entanto, a desembargadora Mônica Sifuentes negou, no dia 16 deste mês, sustentando que não houve “teratologia ou manifesta ilegalidade” nas decisões proferidas por Serizawa

Com informações de Amazonas Atual

Leia Também

Siga nossas mídias sociais

redacao@portaldacapitalam.com.br

(92) 99514-1517

Portal da Capital Am

Informação com Credibilidade

Copyright © Todos os direitos reservados.