segunda-feira, 26, outubro, 2020
Mortos são deixados para ‘apodrecer’ em fazenda para estudo cientifico; veja vídeo
A fazenda de cadáveres da Universidade do Sul da Flórida é uma das sete existentes nos Estados Unidos.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

No meio da floresta, a apenas alguns quilômetros da Rodovia Alcoa, no Tennessee, nos EUA, é possível encontrar um terreno cercado por arame farpado. Mas não se trata de um terreno comum: é o lar da primeira “fazenda de corpos” do mundo.

A fazenda de cadáveres da Universidade do Sul da Flórida é uma das sete existentes nos Estados Unidos. Também há algumas na Austrália. Países como Canadá e Reino Unido têm planos para abrir seus primeiros campos do tipo neste ano.

Os cadáveres que estão na fazenda da universidade americana são de pessoas que antes de morrer decidiram doar voluntariamente seus corpos para a ciência. Em outros casos, são os parentes do falecido que decidem dar o corpo à perícia.

O local abriga corpos humanos deixados a céu aberto, trancados em algum lugar ou submersos na água, todos observados de perto por cientistas para ver o que acontece durante a decomposição.

A ideia de “fazendas corpos” é uma invenção surpreendentemente tardia, concebida pelo antropólogo William M. Bass , em 1971. Bass queria entender melhor o processo de decomposição depois de ser solicitado pela polícia para analisar um corpo para uma investigação criminal.

O objetivo principal desses lugares é entender como o corpo humano se decompõe e o que acontece no ambiente que o rodeia durante esse processo.

A compreensão desse processo fornece dados para a resolução de crimes ou para a melhora das técnicas de identificação de pessoas.

“Quando alguém morre ocorrem muitas coisas ao mesmo tempo (no corpo)”, diz Erin Kimmerle, diretora do Instituto de Antropologia Forense da Universidade do Sul da Flórida. “Ocorre desde a decomposição natural, até a chegada de insetos e mudanças na ecologia.”

Kimmerle e sua equipe consideram que a melhor maneira de entender o processo de decomposição é observá-lo em tempo real, com corpos reais em um ambiente real. Segundo Kimmerle, em geral o corpo humano passa por quatro etapas depois da morte.

Na primeira, chamada de “corpo fresco”, a temperatura do cadáver cai e o sangue deixa de circular – ele também se concentra em certas partes do corpo.

Então, durante a “decomposição inicial”, as bactérias começam a consumir os tecidos – a cor da pele também começa a mudar. No terceiro estágio, a “decomposição avançada”, os gases se acumulam, o corpo incha e os tecidos se rompem.

Finalmente, inicia-se a “esqueletização”, que se evidencia pela primeira vez no rosto, nas mãos e nos pés. Em algumas condições de umidade e outros fatores, o corpo pode ser naturalmente mumificado.

Esses estágios, no entanto, são influenciados pelo ambiente em que o corpo está – e isso é de interesse para a ciência forense.

Veja vídeo:

Via: G1

Leia Também

Siga nossas mídias sociais

(92) 99514-1517

Portal da Capital Am

Informação com Credibilidade

Copyright © Todos os direitos reservados.