Oposição entrega pedido de impeachment de Bolsonaro à Câmara de Deputados

Compartilhe:

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Do UOL

Partidos da oposição protocolaram na manhã de hoje um pedido de impeachment do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) à Câmara dos Deputados.

Esse é o primeiro pedido de impeachment no qual partidos se juntam —outros foram entregues, mas por iniciativas individuais de parlamentares— para exigir a saída de Bolsonaro.

PT, PCdoB, PSOL, PCB, PCO, PSTU e UP e mais de 400 entidades e movimentos sociais, como o MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) e a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil assinam o pedido de impedimento do presidente.

Confira:

O documento entregue à Câmara acusa Bolsonaro de cometer crimes de responsabilidade, atentar contra a saúde pública e arriscar a vida da população pelo comportamento à frente da pandemia do coronavírus, dentre outros crimes.

A oposição argumenta que o presidente cometeu crime de responsabilidade ao discursar contra o STF (Supremo Tribunal Federal), ao convocar empresários para a “guerra contra governadores” à frente da pandemia do coronavírus e incitar a sublevação das Forças Armadas contra a democracia, além de pronunciamentos e atos durante a pandemia que configuram crimes contra a saúde pública.

O documento ainda acusa Bolsonaro de crimes contra o livre exercício dos poderes constitucionais, contra o livre exercício dos direitos políticos, individuais e sociais, contra a segurança interna do país e contra a probidade administrativa.

“Bolsonaro não tem condições políticas, administrativas e humanas de governar o Brasil. Briga com todo mundo o tempo inteiro e não protege o povo. Tem de ser impedido”, afirmou a presidente nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR).

Organizadores estenderam uma faixa pedindo “impeachment já” na frente do Congresso Nacional.

Em sessão remota da Câmara ontem, o líder da minoria na Casa, deputado José Guimarães (PT-CE), comparou os impeachments de Fernando Collor (Pros-AL) e Dilma Roussef (PT) com a atual situação de Bolsonaro.

“O Collor caiu por causa de um Fiat Elba, a Dilma caiu porque inventaram uma tal pedalada fiscal. E esse governo já cometeu, só nas minhas contas, mais de 20 crimes de responsabilidade. E o Congresso, não vai fazer nada? O Congresso não pode se silenciar frente a isso, o que está em jogo não é partido A ou B, é a democracia”, disse.

Leia Também