‘Se o voto impresso voltar, a vida vai ficar pior’, afirma presidente do TSE

Foto: Divulgação

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso, presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), o foi convidado nesta quarta-feira (9) a discutir o processo eleitoral na Câmara dos Deputados.

Em sua fala, ele comentou o projeto do voto impresso e afirmou que essa decisão pode significar um retrocesso no sistema eleitoral brasileiro, além de impactar os cofres públicos.

“É uma decisão política [o retorno do voto impresso]. Se o Congresso decidir por isso e o STF validar a decisão, teremos voto impresso. Isso vai piorar, vai fazer com que a vida fique bem pior, parecida com o que era antes, creio,” disse Barroso.

No último dia 13 de maio, uma comissão especial foi instalada na Câmara dos Deputados para analisar a obrigatoriedade do voto impresso.

A pauta tem sido um dos principais temas defendidos pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para as eleições de 2022.

Para o presidente do TSE, se a proposta for aprovada e promulgada, as instituições deverão cumprir a decisão do Congresso Nacional, mas há inconveniências.

“Em primeiro lugar, vamos ter um custo de R$ 2 bilhões por conta disso. Poderão dizer que a democracia vale isso, mas esse dinheiro faz bastante diferença, é uma opção que cabe ao Congresso.”

O presidente do TSE, Luís Roberto Barroso