domingo, 27, setembro, 2020
Brasil pode ser um dos produtores mundiais da vacina contra Covid-19

Compartilhe:

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Do Gazetasp

Após ser convidado para integrar a terceira fase de testes da vacina contra Covid-19 da Universidade de Oxford, no Reino Unido, o Brasil pode tornar-se um dos produtos mundiais da vacina. Inicialmente, o Brasil corria o risco de estar no fim da fila para receber a vacina contra a Covid-19, isso porque o País não estava incluso em grupos de pesquisadores e de testes.

Nesta quinta-feira (4), a AstraZeneca, empresa biofarmacêutica global, anunciou que acordos internacionais para a produção de 1,7 bilhão de doses da vacina já foram realizados.

Até o momento, acordos foram firmados com o Reino Unido, Estados Unidos, Coallition for Epidemic Preparedness Innovations (CEPI), Instituto Serúm (Índia) e com a Aliança de Vacinas (Gavi). Porém, o objetivo é seguir procurando parceiros.

“Já há negociações com diferentes governos de diferentes países, entre eles o Brasil”, informou a coordenadora dos centros de testagem da vacina no Brasil, Sue Ann Clemens.

De acordo com Clemens, o Instituo Butantã e a FioCruz possuem capacidade para produzir vacinas para a América Latina. A pesquisadora acredita que uma vacina produzida no país garante fácil acesso.

Em abril, o Brasil não foi convidado para integrar a “Colaboração Global para Acelerar o Desenvolvimento, Produção e Acesso Equitativo a diagnósticos, tratamento e vacina contra o covid-19”, da Organização Mundial de Saúde (OMS). E com isso, o Brasil foi para o fim da lista de receptores.

A pesquisadora revela que questionou o coordenador de desenvolvimento da vacina de Oxford, Andrew Pollard, se o Brasil seria prioritário na compra de vacina. “Ele respondeu que isso estava em discussão, mas que a capacidade de produção deles era limitada.

Depois disso, no entanto, eles firmaram o acordo com a AstraZeneca, ampliando a capacidade de produção. Sei que o Brasil já tem em mãos uma ordem de compra e que foi um dos primeiros países abordados para a possibilidade de produção local”.

Atualmente, mais de 100 pesquisas para vacina estão sendo realizadas, mas o desenvolvimento de Oxford é o mais avançado.

Leia Também

Siga nossas mídias sociais

redacao@portaldacapitalam.com.br

(92) 99514-1517

Portal da Capital Am

Informação com Credibilidade

Copyright © Todos os direitos reservados.