Rede de apoio a profissionais do sexo arrecadou meio milhão para a categoria durante a pandemia

profissionais

Brasil- Muitas categorias que tiveram um grande abalo durante a pandemia, uma das categorias que foram bastante afetadas estão as “profissionais do sexo”.

A Central Única de Trabalhadoras e Trabalhadores Sexuais (CUTS) mobilizou empresários, ONGs e voluntários em 9 estados brasileiros e até na Europa para garantir alimentação e proteção a esse público majoritariamente feminino.

A central reúne nove associações e dois coletivos representantes dessas profissionais. Desde março, quando iniciaram-se as restrições referentes ao coronavírus no Brasil.

Várias ações foram realizadas para angariar fundos para as profissionais que estiveram impossibilitadas de exercer suas funções durante a pandemia, foram organizadas  lives, campanhas em redes sociais, vaquinhas e buscaram até auxílio fora do Brasil.

O resultado da mobilização foram cerca de R$ 500 mil que passaram pela conta da CUTS e foram destinados a essas mulheres e suas famílias. A maior parte do recurso foi doada em euros pela RedTrasex, uma associação internacional de apoio a trabalhadoras do sexo à qual a CUTS é filiada.

“Na primeira onda a gente conseguiu tirar essas mulheres da rua, garantir cesta básica, pagar água, luz e fornecer outras doações como roupas e calçados para elas e seus filhos. Agora, a situação está ficando cada vez mais difícil, então iniciamos uma redução de danos”, explica Célia Gomes, presidente da CUTS e da Associação de Prostitutas do Estado do Piauí, que tem 800 mulheres cadastradas.

A Ong participa de editais na área de saúde, direitos humanos, habitação, cultura e assistência social. Em 2020, um ano atípico, precisou deixar de lado atividades como rodas de conversa e os trabalhos de prevenção ao HIV, por exemplo, para dedicar-se ao socorro das vítimas do coronavírus.

Não há números oficiais sobre quantas trabalhadoras do sexo foram infectadas ou perderam a vida devido à Covid-19. As associações que formam a CUTS prestaram auxílio a pelo menos 10 famílias de mulheres que morreram infectadas pelo vírus durante a pandemia. Foram casos em Sergipe, Minas Gerais, Manaus, Piauí e em Brasília.

“Sempre estivemos vulneráveis, ficamos mais ainda. Não existiu nenhum apoio do governo. Não foi pensada nenhuma política para a gente. Agora, na segunda onda, está muito difícil segurar esse público fora do mercado de trabalho presencial. Orientamos a ter cuidados: trabalhadora sexual não beija na boca! Use máscara, peça ao parceiro para que use também”, orienta Célia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui