domingo, 27, setembro, 2020
Governo anuncia acordo para fabricar vacina contra covid-19 no Brasil
A parceria com a Astra Zeneca prevê que a Fiocruz deverá produzir até 100 milhões de doses da vacina de Oxford contra coronavírus, que está em testes

Compartilhe:

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Covid-19 – O Ministério da Saúde, anunciou, nesta manhã, uma parceria que vai possibilitar a fabricação de vacina contra a covid-19 no Brasil. O acordo com a indústria farmacêutica AstraZeneca envolve a transferência de tecnologia de produção à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), do Ministério da Saúde.

O governo prevê investir 127 milhões de dólares no projeto e estima que cada dose da vacina vai custar 2,30 dólares. A vacina de que trata o acordo foi desenvolvida pela AstraZeneca e pela universidade de Oxford, na Inglaterra, e está em fase avançada de testes em diversos países, incluindo o Brasil.

“Entre outubro e novembro teremos os resultados preliminares dos testes, feitos tanto no brasil como em outros países. E isso servirá de base para o registro da vacina para uso”, diz Camile Giaretta Sachetti, diretora de ciência e tecnologia da Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos.

O acordo prevê que a Fiocruz vai produzir dois lotes iniciais em  dezembro deste ano e em janeiro de 2021, totalizando 30,4 milhões de doses. Depois disso, se a eficácia da vacina se confirmar, haverá importação de mais insumos para a fabricação de mais 70 milhões de doses, totalizando 100 milhões.

“É uma encomenda tecnológica e envolve um risco. Os estudos preliminares mostram que a vacina tem resposta imunológica significativa. Se descobrirmos que ela tem algum efeito negativo ou não tem eficácia comprovada, teremos aprendido com isso e teremos capacitado nosso parque tecnológico para produzir outras vacinas”, diz Arnaldo Correia de Medeiros, secretário de Vigilância em Saúde.

“Produzir pode ser mais caro que importar. Mas tem seu valor estratégico para o país, ao capacitar nosso parque industrial. Em 2021 poderemos ter outras opções de vacinas. Vamos avaliar o cenário em função disso”, afirma Hélio Angotti Neto, secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos.

Fonte: Exame

Leia Também

Siga nossas mídias sociais

redacao@portaldacapitalam.com.br

(92) 99514-1517

Portal da Capital Am

Informação com Credibilidade

Copyright © Todos os direitos reservados.