Vacina promissora contra o coronavírus encontra um problema surreal
Pesquisadores esperam que ritmo de contágio se mantenha para que testes mostrem se o produto de fato funciona contra o coronavírus

Compartilhe:

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Covid-19 – O professor Adrian Hill, pesquisador da Universidade Oxford, disse em uma entrevista que a promissora vacina contra coronavírus em desenvolvimento tem apenas 50% de chances de sucesso. É uma tentativa de Hill de mostrar que nada está garantido apesar da intensa expecativa em torno de sua pesquisa.

Hill disse ao jornal The Telegraph que seu time encontrou um problema que pode inviabilizar o prazo inicial de setembro para a distribuição das vacinas. O contratempo é curioso — o redução no ritmo de contágio comunitário no Reino Unido dificulta a chance de os voluntários serem infectados. Com isso, os cientistas podem nunca saber se a vacina de fato faz diferença.

O grupo de pesquisadores de Oxford prometeu finalizar em agosto os testes clínicos da vacina, que já foi aplicada em 1.100 voluntários no fim de abril. Em 23 de abril, os pesquisadores injetaram a vacina nos 320 primeiros voluntários. É basicamente uma combinação do adenovírus de chimpanzé e do material genético de uma proteína encontrada na superfície do coronavírus – usada para infectar células humanas.

Hill afirmou ao Telegraph que 10.000 pessoas se voluntariaram para testar a vacina. “Estamos numa corrida contra o tempo”, disse. “No momento há 50% de chances de não chegarmos a nenhum resultado. Estamos na bizarra posição de querer que a covid fique, ao menos um pouco mais”.

O professor alertou para o risco de promessas exageradas e disse que não recomenda aos britânicos que agendem férias para outubro. Os resultados de um primeiro teste serão divulgados no início de junho.

A corrida por uma vacina contra o coronavírus fez com que a China planejasse começar a distribuir lotes mesmo sem testes finalizados. As previsões para a distribuição variam de setembro, como é (ou era) o caso de Oxford, até meados do ano que vem.

Atualmente o mundo tem 2,8 milhões de pacientes ativos de coronavírus, 2% deles em estado grave. O Reino Unido é o quinto país com mais casos confirmados até hoje, 257 mil. Mas o número de novos casos e mortes está em queda — foram 3 mil casos nas últimas 24 horas.

Essa semana a farmacêutica AstraZeneca anunciou um negócio de 1,2 bilhão de dólares com o governo dos Estados Unidos para produzir 400 milhões de doses da vacina ainda em fase de testes. O governo britânico já aceitou comprar 100 milhões de doses da vacina, das quais 30 milhões estariam prontas já em setembro.

Com informações de Exame

Leia Também

Siga nossas mídias sociais

redacao@portaldacapitalam.com.br

(92) 99514-1517

Portal da Capital Am

Informação com Credibilidade

Copyright © Todos os direitos reservados.